Medições Fabulosas: A Borboleta e o Caranguejo

by

A borboleta branca desceu em espiral sacolejando as asas diáfanas. Pousou cautelosamente na areia úmida, ali onde a maré vazante acabara de cobrir de espuma. Um pouco adiante, caminhando sobre o espelho que a película d’água formava perto da arrebentação, um jovem e inexperiente caranguejo procurava partículas invisíveis com as suas formidáveis pinças.

– Cuidado! – Alertou o caranguejinho. – Aqui não é lugar para alguém tão frágil. O que é que você procura?

– Sal – Disse a borboleta com toda simplicidade. Vim lamber o sal que o mar deposita na areia.

– Ah! Sim. Pois fique à vontade. Sal é o que não falta neste mundo alagado em que vivo. Aliás, vivo coberto de sal, sempre molhado, sempre correndo entre o mar e a areia. O que eu não daria para sair esvoejando por aí…

– E por que você não faz isso?

– Bem que eu gostaria… Mas ninguém nasce uma coisa e vira outra assim, sem mais nem menos.

– Como não? Claro que vira. Eu, por exemplo, nasci lagarta. Era lenta, rastejava pelos galhos e comia um montão de folhas. Para muitos eu era repugnante! Agora, olhe para mim! Sou uma elegante borboleta. Vôo pra lá e pra cá, tomo o néctar das flores e aprecio o sal que você despreza.

– E como se faz isso?

– Muito simples. Você come até não poder mais. Quando percebe que a sua pele está rígida e pequena para você, é porque você virou borboleta. Aí, é só abandonar a pele antiga e sair voando!

– Vou tentar – Disse o caranguejo. E passou a comer sem parar. Em pouco tempo sentiu-se incomodado. Percebia a sua carapaça cada vez mais rígida e apertada. Ele ficou feliz com isso, pois sentiu que algo extraordinário iria acorrer. De fato! Como acontece com todo caranguejo quando cresce, o nosso caranguejinho sentiu um impulso irresistível de sair da carapaça. Mas ao contrário dos outros caranguejos, que se escondem para trocar a casca, ele resolveu subir na pedra mais alta e exposta que encontrou. Esforçou-se, espremeu-se até que se viu nu, sem qualquer proteção. Estava eufórico! Nunca se sentira tão livre! Imaginou que iria sair voando imediatamente, como a borboleta lhe dissera. Dito e feito. Um pássaro que passava por ali, vendo o bicho fora da carapaça, não teve dúvida. Levou-o no bico para um passeio, só de ida, até o seu ninho.

Moral da história: Na metrologia, como na vida, cada grandeza física, cada processo tem o seu próprio padrão e a sua própria metodologia. Adaptações inocentes podem conduzir a resultados catastróficos.

Anúncios

Tags:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: