Archive for the ‘Data comemorativa’ Category

Hoje, 24 de abril, o Ipem-SP faz aniversário!!

24 de abril de 2018

Hoje o Ipem-SP faz cinquenta e um anos! Sim, o Ipem-SP foi criado em 24 de abril de 1967, e se você quiser saber pormenores dessa história fascinante leia a publicação “Ipem-SP – 50 anos bem medidos” lançada em comemoração ao jubileu do Instituto.

Como toda entidade pública prestadora de serviços aos cidadãos, o bem mais precioso com que o Ipem-SP pode contar é o conjunto dos seus servidores e colaboradores. São eles que dão vida ao Instituto. Parabéns, portanto, aos que trabalharam e trabalham para que a sociedade paulista possa contar com uma instituição moderna, atuante e indispensável!  Viva o Ipem-SP!

 

Anúncios

Ipem-SP moderniza seu complexo de laboratórios

20 de março de 2018

Detalhe da bancada de hidrometria do Laboratório de Vazão

O Ipem-SP mantém laboratórios metrológicos voltados à calibração de padrões e de instrumentos de medição próprios e terceiros. Entretanto, o desenvolvimento tecnológico na área da metrologia e avaliação da conformidade, e a expansão do escopo de fiscalização, verificação e ensaios do Instituto, têm exigido diversificação e modernização do complexo de laboratórios.

Foi com esse objetivo que o Departamento de Metrologia Científica e Industrial do Ipem-SP promoveu uma ampla remodelação e atualização de equipamentos e padrões nos laboratórios já existentes e criou o novo Laboratório Multifuncional de Ensaio de Produtos,  preparado para ensaios de fios e cabos elétricos, pneus, copos descartáveis, material escolar, entre outros. Além disso foi criado um espaço especial para capacitação e treinamento, a “Sala do Conhecimento”, equipada com os mais modernos recursos de mídia.

Tudo isso foi inaugurado no dia 16 de março, em cerimônia na qual foi lançado o Livro Institucional “Ipem-SP , cinquenta anos bem medidos”, além de um vídeo institucional. Ambos podem ser acessados pelos links abaixo.

clique na capa para acessar

 

clique na imagem para assistir

 

Boas Festas e Feliz 2018

20 de dezembro de 2017

 

Chegamos ao fim de mais um ano!

Queremos agradecer a sua companhia, a sua participação e o seu incentivo durante esta jornada, e dizer que você pode continuar contando conosco, como sempre, também no ano que vem!

Muito obrigado, boas festas e um feliz 2018.

O IPEM-SP faz 50 anos!!!

20 de abril de 2017

É com indisfarçável (porém justificado) orgulho que comemoramos mais um aniversário do Instituto! Afinal, não festejamos um aniversário qualquer, mas um marco importantíssimo para a Autarquia: O IPEM-SP faz cinquenta anos!

Quando uma instituição comemora o seu jubileu de ouro é usual relembrar um pouco da sua história. É o que vamos fazer, de maneira brevíssima, a seguir:

O IPEM-SP foi criado em 24 de abril de 1967 e vinculado à então Secretaria do Trabalho, com a missão de verificar e fiscalizar os instrumentos de medir usados no comércio, como balanças, bombas de combustível e taxímetros. Passou a operar em prédio próprio, cedido pelo Governo do Estado e situado na Capital, à Rua Muriaé, 154, no bairro do Ipiranga, onde até hoje funcionam os laboratórios metrológicos do Instituto.

Em 1973, com a criação do Inmetro, o IPEM-SP passa a receber a delegação dessa Autarquia para executar as atividades de controle metrológico no Estado de São Paulo.

Em 1991, com a vinculação do IPEM-SP à recém criada Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, a missão do instituto passa a incorporar as questões da cidadania e da proteção ao cidadão nas suas relações de consumo, dentro das atribuições do Órgão.

Assim, em 1993 é criado o Serviço de Ouvidoria, um dos pioneiros no Estado, e a Assessoria de Comunicação, com a missão de aproximar o Instituto do cidadão e dar maior transparência às suas atividades.

Em 1995 o IPEM-SP torna-se uma autarquia estadual. Também nessa época os laboratórios são reunidos num Centro Tecnológico voltado à metrologia, e o Inmetro delega ao IPEM-SP a fiscalização de produtos sujeitos à avaliação obrigatória da conformidade.

A partir daí o IPEM-SP inicia a modernização da sua estrutura administrativa, com a adoção do Sistema de Gestão da Qualidade baseado nas normas ISO 9000, mantido ininterruptamente até hoje, laboratórios metrológicos obtém credenciamento junto à Rede Brasileira de Calibração—RBC e, em 2002, o IPEM-SP transfere a sua sede administrativa para um moderno prédio.

Aqui no IPEM-SP nós vestimos a camisa!

Na última década o IPEM-SP obteve nova estrutura administrativa e funcional com a adoção, em 2010, de novo regulamento, novo organograma e nova estrutura de empregos e salários. Também investiu fortemente em tecnologia da informação e readequou seus laboratórios para poderem abrigar novos equipamentos e diversificar a verificação metrológica. Os programas de capacitação e treinamento, e a adoção de modernas ferramentas de gestão como o Planejamento Estratégico têm assegurado o desenvolvimento de projetos voltados às diversas áreas de atuação da Autarquia, desde a verificação e fiscalização de instrumentos de medição e produtos sujeitos à avaliação compulsória da conformidade, até calibrações, inspeções e certificação voluntária de produtos e serviços.

Hoje o IPEM-SP é uma instituição moderna, dinâmica e bem equipada, que presta serviços indispensáveis à sociedade paulista, tanto na proteção ao consumidor e à leal concorrência, quanto no suporte técnico e metrológico às forças produtivas do Estado.

Para comemorar essa data tão importante, serão lançados um selo postal e um carimbo postal alusivos ao jubileu, além de outras novidades que serão abordadas nos próximos posts.

Boas Festas e Feliz 2017.

15 de dezembro de 2016

champagne

O ano de 2016 teve de tudo, menos monotonia!

Agora que ele está chegando ao fim, e apesar das incertezas e das dificuldades que ainda estão por aí, não dá para recusar a sensação de que as coisas vão melhorar em 2017!

No IPEM-SP todos trabalhamos muito e conseguimos manter o Instituto firme e atuante, o que nos dá a certeza de que podemos superar qualquer adversidade. Aqui no Almanaque também estamos otimistas!

Queremos, então, agradecer a sua companhia, a sua participação e o seu incentivo durante este ano, e esperamos que você continue conosco no ano que vem!  Muito obrigado, boas festas e um feliz 2017.

12 de outubro – Dia das Crianças!

6 de outubro de 2016

 

objetos-para-criancaEmbora tenha sido criado, aqui no Brasil, em 1924, o Dia da Criança só pegou mesmo em 1960. Na época foi apenas uma estratégia mercadológica para alavancar as vendas de brinquedos e produtos para bebês. Hoje, entretanto, a data se tornou um marco! Ela nos lembra que as crianças são frágeis, que estão sujeitas a múltiplas ameaças e que precisam ser protegidas!

O IPEM-SP faz a sua parte na medida em que fiscaliza os produtos sujeitos à avaliação compulsória da conformidade utilizados por crianças: Artigos escolares; Berços; Bicicletas infantis; Brinquedos; Cadeiras para alimentação (cadeirões); Carrinhos para bebê; Chupetas; Dispositivos de retenção (cadeirinhas para automóvel); Mamadeiras e bicos.  Todos esses produtos devem ser fabricados, obrigatoriamente, de acordo com as normas técnicas aprovadas pelo Inmetro, e devem exibir o Selo do Inmetro. Veja alguns exemplos de selo abaixo:

selos-seguranca-inmetroNo caso dos brinquedos, além do selo de segurança observe também a faixa etária indicada na embalagem. Lembre-se: Retirar o brinquedo da embalagem, ler as instruções e fazer a montagem é tarefa para adultos. Ah! Nunca compre no comércio informal e sempre exija a nota fiscal.

Medindo a Camada de Ozônio

14 de setembro de 2016

ozonioarteA camada de ozônio, ou ozonosfera, é uma região da estratosfera que concentra uma elevada quantidade desse gás. Diferentemente do oxigênio molecular, que tem dois átomos, o ozônio possui três átomos de oxigênio. Mas atenção! A figura acima é apenas uma brincadeira com a palavra e não representa a geometria da molécula de ozônio. Veja só:

ozonio-estruturaMesmo que as letras “Z” e “N” pudessem representar ligações químicas, a letra “I” ficaria sobrando, isso porque na molécula de ozônio o átomo central se liga a dois outros átomos por ligações covalentes dativas (coordenadas), como na figura à direita.

ozono-estruturaAgora, veja que coisa curiosa e provavelmente única: Em Portugal, onde OZÔNIO se diz OZONO, sem o fonema “i”, e onde, por consequência, não se usa a letra “i” para escrever a palavra, ela pode ser manipulada para assumir a mesma forma da geometria da molécula de “ozono”, como na figura à esquerda.

A ozonosfera é importante pois funciona como um escudo que bloqueia grande parte da radiação solar nociva à vida, principalmente a radiação ultra violeta, ou raios UV. No final da década de 1970 descobriu-se que a concentração de ozônio havia diminuído bastante sobre a região Antártica. O fenômeno foi batizado de “buraco de ozônio”. Desde então os cientistas têm observado variações na quantidade desse gás.

aerossol

Na época, apontou-se como causa do fenômeno o uso de compostos de cloro como os clorofluorcarbonos (CFCs). Esses gases, usados em refrigeração (geladeiras, ares-condicionados) e nos aerossóis liberam cloro, que destrói as moléculas de ozônio na estratosfera. Isso fez com que a ONU patrocinasse a redução do uso dessas substâncias. Assim, em 16 de setembro de 1987 foi firmado o Protocolo de Montreal. Os países que aderiram a esse protocolo comprometeram-se a interromper a produção e a comercialização dos principais CFCs. Veja, a seguir, onde fica a camada de ozônio.

ozonosfera No gráfico acima vemos a correlação entre quatro grandezas físicas que quantificam diferentes aspectos da camada de ozônio: À direita e à esquerda temos duas grandezas cujos valores diminuem com a altitude: A pressão atmosférica em quilopascal, e a densidade do ar, dada em gramas por metro cúbico. A linha vinho indica a correlação entre a altitude, em quilômetros, e a temperatura média do ar, em kelvins. Observe que temperatura do ar diminui à medida que se aproxima do limite superior da troposfera, e fica constante na tropopausa, entre os 12 km e os 20 km de altitude. No limite superior da tropopausa começa a camada de ozônio. Acima dos 20 km a temperatura do ar volta a esquentar até atingir a estratopausa, em torno dos 50 km de altitude, onde permanece constante até a mesosfera, tornando então a esfriar.

A ozonosfera concentra cerca de 90% de todo o ozônio atmosférico, tem uma espessura de cerca de 10 km e está localizada entre os 15 km e os 35 km de altitude, dentro da estratosfera (no gráfico, a área com listras brancas).

Espectrofotômetro Dobson

Espectrofotômetro Dobson

A quantidade de ozônio na atmosfera é medida por instrumentos no solo ou embarcados em balões, aviões e satélites. Algumas medições são feitas pela análise do ar seco em um detector de ozônio. Outras são baseadas na capacidade única do ozônio de absorver a luz na atmosfera. É o caso do espectrofotômetro Dobson, que mede a intensidade da luz solar em dois comprimentos de onda na faixa ultravioleta, uma fortemente absorvida pelo ozônio e outra fracamente absorvida. A diferença na intensidade de luz desses dois comprimentos de onda é utilizada para medir o ozônio total acima da localização do instrumento.

É preciso dizer que não há consenso, nem mesmo entre os cientistas, de que o CFC seja o causador do “buraco de ozônio”. Há quem defenda que a flutuação na concentração de ozônio na ozonosfera se deve a causas naturais. De todo modo, para que seja possível defender uma ou outra tese acerca desse fenômeno é fundamental medi-lo, e  para isso existe a metrologia.

 

Olimpíada se faz com esporte e metrologia!

2 de agosto de 2016

arosolimpicos

Pela primeira vez na história, os jogos olímpicos e paraolímpicos estão sendo realizados no Brasil (o termo oficial é “paralímpico”, mas vamos evitá-lo por amor à etimologia). Você, provavelmente, já sabe tudo sobre Olimpíadas: Sabe que os jogos começaram na Grécia antiga, foram interrompidos ainda na antiguidade e retomados apenas no século XIX pelo Barão de Coubertin… Por isso não vamos abordar essa longa história aqui. Vamos falar de metrologia…

Nesta olimpíada são 42 modalidades olímpicas e 19 paraolímpicas! É competição que não acaba mais! Pense no número de regras que cada modalidade tem, e na incrível quantidade dessas regras que estabelecem medidas. Pense nas dimensões dos campos, das quadras, dos ringues, dos tatames, das piscinas, das pistas… E também nas especificações das redes, dos obstáculos, das balizas, dos dardos, dos discos, das bolas, das varas, das canoas, das velas… Pense nas regras que envolvem tempo, velocidade, altura, comprimento, peso, temperatura, volume, profundidade, força, pressão e até nos parâmetros biométricos dos atletas… Tudo isso aliado a um arsenal de instrumentos para realizar todas essas medições: Metros, trenas, cronômetros, paquímetros, manômetros, balanças de vários tipos, esfigmomanômetros, dinamômetros, termômetros… Ufa! É muita medição!

Na verdade, parece que não há competição sem medição! O Barão de Coubertin defendia que em uma competição não importava vencer, mas sim competir. Hoje, entretanto, vencer tornou-se fundamental, e o que separa a vitória da derrota, o primeiro do segundo lugar é, na maioria das vezes, a precisão das medições. Então, com todo respeito ao lema do famoso Barão, podemos atualizá-lo afirmando: Numa competição, o importante é medir!

Se você ainda não está por dentro de tudo sobre as Olimpíadas, acesse os sites:

COB – Comitê Olímpico do Brasil

Brasil 2016 – Portal Oficial do Governo Federal

 

Dia do Metrologista! Viva!

24 de junho de 2016

planetas

Dia 26 de junho é o dia do Metrologista! Os  Metrologistas são os profissionais que trabalham com metrologia! Metrologia é uma ciência, a ciência das medições. Ciência é feita por cientistas. Cientistas fazem medições. Então, será que todos os cientistas são metrologistas? Um dos mais renomados e importantes cientistas de todos os tempos, Lord Kelvin, escreveu:

(“In physical science a first essential step in the direction of learning any subject is to find principles of numerical reckoning and practicable methods for measuring some quality connected with it. I often say that when you can measure what you are speaking about and express it in numbers you know something about it; but when you cannot measure it, when you cannot express it in numbers, your knowledge is of a meagre and unsatisfactory kind: it may be the beginning of knowledge, but you have scarcely, in your thoughts, advanced to the stage of science, whatever the matter may be.”)

Desculpem, Lord Kelvin era irlandês e, portanto, falava e escrevia em inglês. Vejam a tradução abaixo:

“Na ciência física, um primeiro passo essencial no sentido de aprender um assunto é encontrar princípios de contagem numérica e métodos aplicáveis para medir alguma qualidade ligada a esse assunto. Costumo dizer que quando você pode medir aquilo sobre o que está falando e expressá-lo em números, você sabe algo sobre ele; mas quando você não consegue medi-lo, quando você não pode expressá-lo em números, o seu conhecimento é de um tipo frágil e insatisfatório: Ele pode ser o início do conhecimento, mas em seus pensamentos você pouco avançou para o estágio científico, seja qual for a questão.”

atomo

Na Cosmologia ou na Mecânica Quântica, no mundo infinitamente grande dos astros ou incrivelmente pequeno dos átomos, existe um metrologista traduzindo em números as grandezas físicas envolvidas nesses universos do conhecimento. E se nem todo metrologista é um cientista, todos os  que fazem ciência (e mais uma infinidade de outras coisas) precisam lidar com metrologia. A maioria dos metrologistas do IPEM-SP trabalha com metrologia legal, mas muitos trabalham com metrologia científica e industrial, e com avaliação da conformidade. Todavia, não importa em que área atuemos, se nos laboratórios, na indústria, no comércio ou nos serviços. Importa que  somos, todos, metrologistas. Bom trabalho, colegas, e parabéns pelo seu dia!

Viva o Dia Mundial da Metrologia!

19 de maio de 2016

iconesmetrologicosNo dia 20 de maio do ano de 1875 (portanto há 141 anos!) foi assinada a Convenção do Metro! Nunca é demais repetir como foi importante para o comércio, para a indústria, para a agricultura, para a tecnologia, para a ciência e para a maioria das atividades humanas a criação do Sistema Métrico Decimal e a sua adoção como referência internacional em metrologia.

Hoje o Sistema Internacional de Unidades – SI, derivado do Sistema Métrico, é adotado pela quase totalidade dos países (exceto Mianmar, Libéria e Estados Unidos da América), o que tem facilitado imensamente o intercâmbio comercial, o desenvolvimento industrial e a pesquisa científica.

Aliás, em se tratando de ciência os Estados Unidos deixam de lado a sua incompreensível aversão ao SI e adotam de bom grado os seus conceitos e preceitos. A razão é simples: Não é possível fazer ciência de ponta utilizando um sistema de medidas medieval derivado do antigo Sistema de Medidas Britânico, o qual foi abandonado pelos próprios ingleses há quase duzentos anos! Sim, como bons europeus os ingleses utilizam o Sistema Internacional de Unidades!