Posts Tagged ‘Carnaval’

CARNAVAL 2020!

17 de fevereiro de 2020

Todo ano, pouco antes do Carnaval, costumamos chamar a atenção para os produtos típicos desse período de folia. Este ano, além das dicas de sempre, vamos falar um pouco mais sobre essa festa e explicar como se define o dia e o mês em que ela ocorre.

Mas, primeiro, vamos às dicas:

Fantasias são produtos têxteis sujeitos à fiscalização do Ipem-SP. Na hora de comprar a fantasia, veja a “composição têxtil” informada na etiqueta.  Essa informação é importante porque algumas pessoas são alérgicas a determinadas fibras. A etiqueta também exibe informações sobre o fabricante ou importador, o país de origem, os cuidados para a conservação do produto e uma indicação de tamanho.

Brinquedos! No carnaval muita gente usa brinquedo, até as crianças. Ao comprar brinquedos típicos de carnaval procure o selo de certificação (selo de conformidade do Inmetro) e observe a faixa etária indicada na embalagem do produto. As máscaras infantis (menos as descartáveis, de papelão) e os adereços que acompanham as fantasias das crianças (tiaras, martelinhos, espadinhas etc.) são considerados brinquedos e precisam ser certificados. Lembre-se: brinquedo sem o selo do Inmetro põe em risco a saúde da criança.

Preservativos: O preservativo de uso masculino, a conhecida camisinha, deve ter o símbolo do Inmetro na embalagem. Veja também o prazo de validade e não compre se a embalagem estiver danificada. O Ipem-SP fiscaliza e retira de comercialização as camisinhas irregulares.

Bafômetro: As leis brasileiras são bastante rígidas com aqueles que dirigem alcoolizados, e quem quiser correr o risco pode ser pego pelo bafômetro…. E não vai adiantar comer cebola, chupar bala de hortelã, mascar chiclete, tomar vinagre ou qualquer outra “receita caseira”, pois os bafômetros usados pela polícia são verificados pelo Ipem-SP e nunca se enganam. Então, se beber, não dirija!

Táxi:  Resolveu ir para a folia de táxi? Sábia decisão! O Ipem-SP verifica periodicamente os taxímetros para que estes registrem corretamente o valor da corrida.

Como é definido em que dia “cai” a Terça-feira de Carnaval

O Carnaval é uma festa móvel ligada ao calendário litúrgico católico. O nome Carnaval tem origem provável na expressão italiana carne levare (suprimir a carne), ou mesmo do latim tardio carne vale (despedir-se da carne). Acontece que imediatamente após o carnaval inicia-se o período da Quaresma, que é uma preparação para a Páscoa. Durante a Quaresma, que começa na Quarta-feira de Cinzas, os fiéis não podem comer carne. Daí a expressão “Terça-feira Gorda”, último dia antes da Quaresma em que a carne é permitida.

Arlequim, Colombina e Pierrot são personagens da Commedia dell’Arte, estilo teatral nascido na Itália do século dezesseis, e que durante muitos anos inspirou as fantasias e as marchinhas de carnaval.

Segundo a liturgia católica, o Carnaval ocorre 47 dias antes da Páscoa. Por ter a sua origem ligada ao calendário lunossolar judeu (baseado nos movimentos do Sol e da Lua) a Páscoa ocorre no primeiro domingo depois da primeira lua cheia que surgir após o dia do primeiro equinócio do ano (primavera no hemisfério norte e outono no hemisfério sul). Complicado? Nem tanto, veja:

  • Data em que ocorre o primeiro equinócio de 2020: 20 de março.
  • Primeira Lua Cheia depois do equinócio: 7 de abril, terça-feira.
  • Primeiro domingo depois desse dia: 12 de abril, Páscoa.
  • 47 dias antes da Páscoa: 12 dias de abril + 31 dias de março + 4 dias de fevereiro (que este ano tem 29 dias por ser bissexto).
  • Resultado: 25 de fevereiro, Terça-feira de Carnaval.

Sim, é muito mais fácil olhar no calendário. Mas afinal, este é um blog sobre metrologia, e contagem de tempo é medição…

É bom lembrar que o carnaval não é feriado nacional. Aqui em São Paulo, por exemplo, o carnaval é ponto facultativo. Contudo, as repartições públicas, os bancos e a maioria das empresas costumam liberar seus empregados, de modo que para muitos paulistas a folia começa no sábado e só termina na quarta-feira.

No caso de dúvidas, sugestões ou reclamações, fale com a Ouvidoria do Ipem-SP. O telefone é o 0800 013 05 22 e a ligação é gratuita.

Boa diversão!

Carnaval 2019

28 de fevereiro de 2019

Carnaval é festa, e a última coisa que a gente quer é estragar a própria festa e a festa alheia. Por isso, dê uma olhada nas dicas para se divertir com segurança:

Rasgue a fantasia! O Ipem-SP fiscaliza todos os produtos têxteis. Na hora de comprar a fantasia, veja a “composição têxtil” informada na etiqueta.  Essa informação é importante porque algumas pessoas são alérgicas a determinadas fibras. A etiqueta também exibe informações sobre o fabricante ou importador, o país de origem, cuidados de conservação do produto e uma indicação de tamanho.

Só dirija se estiver sóbrio! As leis brasileiras são bastante rígidas para os que dirigem alcoolizados, e quem quiser correr o risco pode ser pego pelo bafômetro…. E não vai adiantar comer cebola, chupar bala de hortelã, mascar chiclete, tomar vinagre ou qualquer outra “receita caseira”, pois os bafômetros usados pela polícia são verificados pelo Ipem-SP e nunca se enganam.

Vá de táxi!  Resolveu ir para a folia de táxi? Sábia decisão! O Ipem-SP verifica periodicamente os taxímetros para que estes registrem corretamente o valor da corrida.

Curta com responsabilidade! O preservativo de uso masculino, a conhecida camisinha, deve ter o símbolo do Inmetro na embalagem. Veja também o prazo de validade e não compre se a embalagem estiver danificada. O Ipem-SP fiscaliza  e retira de comercialização as camisinhas irregulares.

Crianças também brincam! No carnaval muita gente usa brinquedo, até as crianças. Antes de comprar brinquedos típicos de carnaval procure o selo de conformidade do Inmetro e observe a faixa etária indicada na embalagem do produto. Brinquedo sem o selo do Inmetro põe em risco a saúde da criança.

No caso de dúvidas, sugestões ou reclamações, fale com a Ouvidoria do Ipem-SP. O telefone é o 0800 – 013 05 22 e a ligação é gratuita.

Boa diversão!

Carnaval

17 de fevereiro de 2012

Carnaval é festa, e a última coisa que a gente quer é estragar a própria festa e a festa alheia. Por isso, dê uma olhada nas dicas do IPEM-SP para se divertir com segurança:

Não dirija alcoolizado! As leis brasileiras são bastante rígidas no que diz respeito a punir quem dirige alcoolizado. Durante as festas de carnaval o consumo de bebidas alcoólicas aumenta bastante e, consequentemente, o índice de acidentes de trânsito também, pois muitos motoristas resolvem dirigir sob o efeito do álcool.

O etilômetro, conhecido popularmente como bafômetro, é o instrumento utilizado pelos policiais para verificar se o motorista “passou da conta”. Esse instrumento é verificado pelo Ipem-SP e, portanto, mede corretamente. Ou seja, não adianta torcer para não ser parado. O melhor é não dirigir depois de beber.

Vá de táxi!  Muito bem, você decidiu retornar para casa de táxi! Então saiba que o Ipem-SP verifica o taxímetro para que ele registre corretamente o valor da corrida.

Proteja-se! O preservativo de uso masculino (camisinha) é um produto fiscalizado pelo Ipem-SP. Antes de comprar, verifique se a embalagem traz o simbolo do Inmetro. Veja também o prazo de validade e não compre preservativo com a embalagem danificada.

Rasgue a fantasia! O Ipem-SP fiscaliza também os produtos têxteis. Na hora de comprar sua fantasia, veja a “composição têxtil” do tecido informada na etiqueta têxtil.  Algumas pessoas são alérgicas a determinadas fibras, e esse dado é importante para o consumidor saber do que é feita a peça que  ele adquiriu.

Boa diversão!

Tira da dupla Pesado e Medido – Camisinha II

28 de fevereiro de 2011

Moral da história: proteja-se no carnaval e não se arrisque!  Ao comprar camisinha, veja se a embalagem traz o símbolo do Inmetro, a data de fabricação e a data de validade. Verifique também se a embalagem está intacta.  Camisinha sem símbolo do Inmetro não serve nem para fantasia.

Tira da dupla Pesado e Medido – têxtil

17 de fevereiro de 2011

Moral da história: A etiqueta têxtil informa os tipos de fibra têxtil que compõem o tecido. Assim, se você souber que é alérgico a algum componente daquele tecido, não compre. A etiqueta têxtil também informa dados do fabricante e os cuidados para conservação da peça. A etiqueta têxtil é obrigatória. O IPEM fiscaliza diariamente a presença da etiqueta nos produtos têxteis.